De que vive a fé verdadeira?


          O reformador da igreja cristã, Martim Lutero, a partir do testemunho bíblico, expressa que a fé vem de ouvir a pregação da Palavra de Deus. Para Lutero a fé é uma obra divina em nós, na qual Deus mesmo nos mata, enquanto ‘velho Adão’ que somos, fazendo de nós uma nova criatura. A Palavra cria a fé justificadora.
          A Palavra de Deus cria e renova. A Palavra de Deus é efetiva. De acordo com Genesis 1 seu falar cria! Em conformidade com Romanos 4.17, seu falar devolve a vida. Por isso Ele, por seu falar, pode matar o ‘velho Adão’ e criar uma nova criatura.
          A pessoa justificada em fé e graça deve ter o olhar direcionado exclusivamente para Cristo. A santificação acontece em consonância com a justificação. O ser humano não pode tomar o pulso da fé e agir sem os olhos fixos em Cristo (Mateus 14.22-33). Caso faça isto, o ser humano fica enredado em seus atos e abstrai-se da promessa de Deus.
          O Apóstolo Paulo escreveu em Romanos 10.17: “A fé vem pela pregação, e a pregação, pela Palavra de Cristo.” Em síntese: a fé vem pelo ouvir. A fé vem na promessa na qual o próprio Jesus Cristo, e com Ele o Reino de Deus, se revela a mim, e em meio à comunidade me traz de volta ao meu lar, fazendo de mim um novo ser.
          O Artigo 5º da Confissão de Augsburgo – base confessional luterana – expressa isto ao dizer que o ‘serviço’ da Palavra foi instituído para que recebamos a fé justificadora.
          A “Palavra” é a forma de comunicação por excelência. Mas a “Palavra” pode ser expressa de diversas formas. Gestos e atos são palavras. Pensamento, palavra dita e ação são expressões da “Palavra”. Palavra e ação estão tão interligadas que não podem ser separadas.  Lutero lê, ouve e entende a Bíblia como um testemunho de uma palavra viva. Para ele a Bíblia ouvida, usada e pregada é “viva vox evangelii”.
          Para Lutero a oralidade da Palavra é importante. Na oralidade da Palavra está expresso seu caráter público. O Evangelho deve ecoar em todo o mundo para demonstrar a fé na promessa de salvação em Cristo Jesus.
          A autoridade da Bíblia, da Palavra, reside no critério de promover a Cristo. Toda a escritura promove a Cristo. O que prega e promove a cristo tem sentido apostólico e tem autoridade. Em Romanos 3.21 lemos que a Escritura tem a intenção de promover a Cristo. Em 1 Coríntios 2.2 o Apóstolo Paulo demonstra que ele não quer saber outra coisa que não seja Cristo.  Assim, chegamos a um denominador: Cristo é o único critério de autoridade para a Bíblia. Por conseguinte, igualmente para a Palavra escrita ou oral.
          O Evangelho anuncia, aponta e traz o Reino de Deus. Pela Palavra de Deus somos inseridos em seu Reino. A Palavra é muito importante. Ela tem a força da “promessa”.
          Todo o Antigo e o Novo Testamento estão permeados dessa promessa (Is 43.1; Lc 2.11). Para Lutero, Jesus Cristo, como Palavra justificadora de Deus, vem a nós de maneira clara na promessa contida na Absolvição, no Batismo e na Santa Ceia. Nos ‘meios da graça’ (Palavra) Deus diz, através de Cristo: “Eu sou por vocês”. Na ‘promessa’ Deus se revela em comunhão conosco. Deus cumpre o que promete; Deus se ‘com-promete’ com ser humano, de modo que este confie e creia Nele.
          Assim vive a fé verdadeira!

(Baseado em: BAYER, Oswald. Viver pela fé. São Leopoldo: Sinodal/IEPG, 1997. P. 40-51.)

PPHM Marcelo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DIA PAROQUIAL DAS CRIANÇAS NA COMUNIDADE PRESIDENTE KENNEDY - VERÊ

IV Dia Sinodal da Igreja do Sínodo Rio Paraná

CONTAGEM REGRESSIVA PARA OS 500 ANOS DA REFORMA LUTERANA